quarta-feira, novembro 30, 2005

VAMOS RECORDAR: UMA QUESTÃO DE (O)POSIÇÃO


PS de Coimbra quer evitar tema da co-incineração
na corrida à liderança.
In Lusa - segunda-feira, 26 de Julho de 2004
O presidente da distrital de Coimbra do PS considerou hoje que não faz sentido trazer para a corrida à liderança do partido o tema da co-incineração, solução que teve como principal rosto o candidato José Sócrates e que foi contestada pelos representantes socialistas naquela cidade.
VICTOR BAPTISTA
"Não faz sentido falar da co-incineração, é passado, não é presente nem futuro", vincou hoje Victor Baptista à Lusa
.
LUIS VILAR
Ouvido pela Lusa, o presidente da concelhia do PS, Luís Vilar, considerou tratar-se de um "falso problema", mas admitiu aceitar a co-incineração em Coimbra desde que esta forma de tratamento dos resíduos seja distribuída também por outros locais."
SANTANA MAIA
O antigo presidente da Assembleia Municipal de Coimbra, Carlos Santana Maia (PS), lamentou hoje a "mudança de opinião, de forma inexplicável" de Luís Vilar, lembrando a votação desfavorável de que foi objecto aquele método de eliminação de resíduos por este órgão e pelo anterior executivo camarário, em cuja maioria o actual presidente da concelhia socialista se integrava. Espero que os militantes não apoiem estas tergiversações de quem foi tão fervorosamente o defensor do oposto", frisou o antigo bastonário da Ordem dos Médicos e ex-governador civil de Coimbra, ao considerar que tal postura "desacredita a política e os políticos".

UMA QUESTÃO DE (O)POSIÇÃO TAMBÉM PARA SI.

LUIS VILAR, VEREADOR DA CMC e PRESIDENTE DACOMISSÃO POLÍTICA
CONCELHIA DE COIMBRA DO PS

in Diário de Coimbra, em resposta ao Professor Doutor Carvalho Homem
Não é meu hábito comentar a posição que cada um tem, mas neste caso concreto fui citado pelo Sr.Prof.Dr. Carvalho Homem e não quero "branquear um clima político" que se pretende instalar em período de pré-campanha eleitoral para as Presidenciais. Além do mais porque, como a seguir vou demonstrar, é uma questão de (o)posiçãopolítica:
1. O Dr. Carvalho Homem aceitou livremente e sem condições integrar a listado PS para a AssemblejaMunicipal em 2001,sendo eu à época Presidente da Concelhia e Vereador da Câmara;
2. Duranteos anos de oposiçãoe combate político do PS, o Dr. Carvalho Homem em nenhum momento dirigiu qualquercrítica. E foram muitas as reuniões em que ambos estivemos presentes. Umaquestão de (o)posiçãopolítica.
3. Recordo-me contudo que, na votação do orçamento da Câmara na AssembleiaMunicipal de que fazia parte o Dr. Carvalho Homem, houve um empate que funcionou a favor do PSD/CDS-PP, porque o Presidente utilizou o voto de qualidade. Aconteceu que, o Dr. Carvalho Homem abandonou a AssembleiaMunicipal IO minutos antes da votação, apesar da minha insistência para permanecer. Uma questão de (o)posição.

Óh Sr. Luis Vilar e as vezes em que faltou a sessões de Câmara decisivas, como aquela que decidiu o projecto "Eurostadium", apesar da importância que essa, como outras, sessão assumia na (o)posição política do Partido Socialista ?
Uma questão de (o)posição!
E aquelas posições políticas que o PS na Assembleia Municipal, através do seu então líder, João Silva, assumiu na oposição a Carlos Encarnação contrárias às do PS na Câmara Municipal. Aliás, deixe-me dizer-lhe, as únicas que posições que provocaram perturbação na gestão da coligação PSD-CDS e PCP foram claramente as de João Silva, apesar deste distinto socialista ter sido afastado por si, Luis Vilar, na qualidade de Presidente da Concelhia Socialista. Nunca o ouvimos a defender a inclusão de João Silva nas listas de Baptista. Ou estamos errados ? Preferiu impor outr(a)s camaradas!
Uma questão de (o)posição!
E por último, também deve ser uma questão de (o)posição afastar o ÚNICO socialista que fez oposição credível, responsável, com conhecimento, com qualidade e competência, o ex-vereador e lider socialista da AM, João Silva, sendo V. Excelência, como bem faz questão de lembrar, Presidente da Concelhia socialista.

Uma vergonha...

O artigo de Luís Vilar hoje na Página 10 do Diário de Coimbra...
Parece-me que é o início de uma guerra interna... o que o Srº Vilar foi buscar ao Baú das suas memórias, para "atirar à cara" de um Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra foi francamente uma jogada muito baixa...

Uma pequena Transcrição:
"...Recordo-me contudo que, na votação do orçamento da Câmara na AssembleiaMunicipal de que fazia parteo Dr. Carvvalho Homem, houve umempate que funcionou a favor do PSD/CDS-PP, porque o Presidente utilizou o voto de qualidade. Aconteceu que, o DR. Carvalho Homem abandonou a Assembleia Municipal IO minutos antes da votação, apesar da minha insistência para permanecer. Uma questão de (o)posição. Desde novo que me ensinaram que: "quem não quer ser lobo, não lhe veste a pele" E, em período de presidenciais, trazer para a praça pública aquilo que, durante quase 4 anos, não deu a entender nem tão pouco se pronunciou, parece-me pouco ético, ainda por cima por quem tem telhados de vidro como atrás ficou demonstrado.
Acresce que o combate político não sef az contra Coimbra e muito menos obedecendo a lógicas de pequenos grupos partidários ou outros..."



Luís Vilar depois não se queixe que as pessoas de reconhecido mérito abandonem o partido, quando são vocês próprios a afastá-los...

NÃO SE FAZ....


Por que será?

Olhando para as sondagens publicadas na comunicação social desde a apresentação pública de todas as candidaturas, realizadas por cinco entidades diferentes, constatamos que Manuel Alegre está na segunda posição em todas, excepto na realizada pela Eurosondagem para o Expresso. Por que será que o trabalho da Eurosondagem diverge de todos os outros? A vantagem de Manuel Alegre é ainda maior em todos os cenários de 2ª volta. Com ele há menos abstenção e desce a votação de Cavaco. A bipolarização Cavaco-Soares, que tem formatado a comunicação social até aqui, só existe nos alinhamentos televisivos, nos títulos de alguns jornais e na cabeça dos responsáveis da Eurosondagem. Por que será?

Helena Roseta

PS - Desculpem mas isto fez-me lembrar algo...não sei se a primeira Sondagem se a Segunda que dava empate técnico aqui em Coimbra, se eram aquelas que andavam aí a circular no bate Boca da cidade, mas certo estou que a empresa de sondagens era a mesma, disso estou certo...

terça-feira, novembro 29, 2005

SÓ QUEM TEM PERÍCIA PARA SURFAR SEMPRE NA CRISTA DA ONDA PODE FAZER JOGOS PERIGOSOS.


Quem não sabe...é engolido!

E AGORA ? HÁ ELEIÇÕES NO DEPARTAMENTO DE MULHERES EM COIMBRA ?

SÓNIA FERTUZINHOS PERDE RECURSO
NA COMISSÃO NACIONAL DE JURISDIÇÃO
A diferença de votos entre a Sónia Fertuzinhos e a Manuela Augusto foi de escassas dezenas de votos, cerca de 25.
Entre actas irregulares a mesas de voto que nunca chegaram a abrir, irregularidades foram muitas.
Acabou a novela: a Comissão Nacional de Jurisdição decidiu Sábado e decidiu a favor de Manuela Augusto.
Manuela Augusto é a nova Presidente do Departamento Nacional de Mulheres Socialistas.
E agora ? Haverá ou não eleições nas Federações ?
Este é o exemplo acabado de como muitas vezes o feitiço se vira contra o feiticeiro!

FIGUEIRA DA FOZ GRANDE TURISMO. E PARA QUANDO COIMBRA ?

MARCELO NUNO EM ENTREVISTA

( ... )
DB - Voltava um pouco atrás para pegar na questão do recrutamento de pessoal. Um ex–deputado municipal da oposição acusou o executivo de contratar dezenas de avençados que agora será obrigado a dispensar. Confirma?
MN - As contratações corresponderam ao que são as necessidades dos serviços. Em vez de se dizer que se contrataram dezenas de avençados, chamem–se os bois pelos nomes e digam o que é que se passou. Aquilo que tenho são propostas, todas elas fundamentadas pelos respectivos serviços. São contratações fundamentadas dentro do alargamento da capacidade de serviços que é inegável. Não basta dizer que se contratou porque se contratou. Veja–se, por exemplo, quantas pessoas foi preciso contratar para as piscinas, um equipamento que não existia. O caso da Polícia Municipal, que também não existia e que obrigou à contratação de dezenas de pessoas. Há, de facto, razões que justificam este aumento de pessoas. Agora, o que temos que fazer é dar enquadramento a estes funcionários, adequado àquilo que é a necessidade de cada uma das áreas. Vamos fazer esse estudo, departamento a departamento, para ver o que é que cada um precisa, como é que cada um tem que se organizar. Já dissemos igualmente que não faz sentido termos pessoas novas que trabalham muito mais do que aquelas que já lá estão e os serviços passam a apoiar–se nelas, tornando–as imprescindíveis, enquanto as que já lá estavam foram aligeirando a pressão diária. Isto não pode acontecer. Temos aqui pedidos de pessoas que querem sair de determinada área, porque têm muito trabalho. Tem é que haver a capacidade de reorganizar os serviços de modo a que haja mobilidade interna, antes de haver o recurso a contratações. Depois temos que dar enquadramento a todas as situações que estão penduradas, saber o que é necessário e resolver, e o que não é, dispensar.
DB - O mesmo ex–deputado avançou com uma denúncia para a Inspecção-Geral. Já é conhecido o resultado?
MN - Confesso que não estou por dento desse processo, mas acho bem. Há um gabinete de auditoria que não funciona, nós vamos pô–lo a funcionar porque queremos estar descansados e porque não temos que ter medo de acções inspectivas, elas são úteis e podemos sempre aprender.
Senhor Dr. Marcelo Nuno, vamos então chamar os bois pelos nomes: o que acontece é que temos vereadores a pedir a dirigentes que façam propostas para recrutarem mais avençados, os tais boys laranja, para não serem os senhores a fazê-lo. Vamos continuar a chamar os bois pelos nomes, dizendo que o que sabemos é da contratação de dezenas de avençados que nada fazem o dia inteiro mas que ganham, o mesmo ou mais que funcionários que têm anos e anos de carreira, sem prejuizo de, como em tudo na vida, haver sempre uma excepção que confirme a regra.
Por último, o gabinete de auditoia não funciona? Fala de um jeito que parece que o PSD acabou de chegar à CMC. Meu caro, o gabinete de auditoria foi criado pelo PSD quando chegou à Câmara e não funciona porque esse mesmo PSD e CDS não quiseram que funcionasse.

AINDA A ENTREVISTA DE MARCELO NUNO...


(...)

DB - E em relação aos pagamentos? Confirma que Coimbra não foge à regra?
MN - Isso é público, toda a gente sabe que a Câmara de Coimbra não foge muito à regra do panorama nacional. Porque as câmaras não têm dinheiro, porque é difícil fazer o planeamento de uma casa com esta dimensão, porque se investiu muito e se teve que atrasar nos pagamentos, porque se alargou muito a capacidade de serviço e se gastou mais dinheiro em estrutura. Tudo isto afecta negativamente a capacidade de pagar. O que nós estamos a fazer neste momento é um exercício de grande rigor e de transparência. Todos os anos os orçamentos são feitos pelos serviços e o orçamento é, sempre cerca de duas vezes aquilo que caba por ser executado.
DB - Porque é que tem que ser assim?
MN - Deixe–me dar–lhe um exemplo: fazemos um orçamento de 164 milhões de euros, que foi o do ano passado, e depois vamos executar para aí 80 a 90 milhões, 100 milhões, quando muito. Depois, quando o dinheiro não chega, das duas uma: ou se corta de forma cega sem haver prioridades, ou se aumenta a dívida. São duas coisas que não podem voltar a acontecer. Portanto, o que se exige a cada um dos responsáveis é que saiba hierarquizar prioridades porque esta é a capacidade mais elementar que qualquer dirigente deve ter. Depois vai pôr em prática essas prioridades conforme os recursos de que dispõe. Se lhe sobrarem recursos, põe em prática a prioridade seguinte, se lhe faltarem já sabe até onde é que pôde ir. Por outro lado, o recurso à dívida não é mais possível. E não o é porque há restrições do ponto de vista orçamental e porque há regras que temos que cumprir no âmbito das limitações que o Estado nos impõe. Temos que encontrar outras formas de, contendo–nos nos limites que a lei estipula, cumprir, diminuindo os prazos de pagamento e, consequentemente, diminuindo a dívida. É esse, obviamente, um dos objectivos que temos para o próximo orçamento, que queremos que seja rigoroso e transparente e que corresponda quase a 100 por cento àquilo que vai ser executado pelas razões que já referi.
Ainda no que diz respeito aos atrasos, convém sublinhar que, muitas vezes, é difícil gerir as prioridades em termos financeiros, porque a capacidade de pagar e definir pagamentos estava dispersa por diversos serviços e departamentos. Nós tínhamos aqui propostas que diziam pague–se à instituição X o montante Y e ainda com as datas e os referidos montantes a pagar, o que inviabiliza qualquer planeamento financeiro da nossa parte. Isso tem que acabar. Os serviços podem definir o que é que dão às diversas instituições dentro do volume que lhes foi estipulado. Quanto à forma de pagamento, quanto muito, poderão dizer porque é que é prioritário e porque é que tem que ser em determinado período, mas não decidem como é que se faz. Quem faz esse planeamento somos nós e seguramente passaremos a ter maior rigor e maior controlo no que diz respeito à organização e à gestão financeira.
Peço desculpa ó Dr. Marcelo, se mal lhe pergunte, o senhor pode ter chegado agora à CMC, mas o seu partido já cá está há 4 anos. Os serviços fazem o que lhes mandam fazer. Certo ? Sabe quantas reentruturações orgânicas a maioria de direita fez num só mandato ? DUAS. Para quê se o caro vereador acha que está tanto por fazer ?

ENTREVISTA A MARCELO NUNO

“É preciso acabar com as coutadas dentro da Câmara”
Marcelo Nuno, economista por vocação e militante social–democrata por paixão, é hoje o vereador dos pelouros financeiro e de recursos humanos na Câmara Municipal de Coimbra.


DIÁRIO AS BEIRAS - Na fase que o país atravessa, é necessária alguma coragem para assumir um pelouro que tenha a ver com finanças. Porque é que aceitou?
Marcelo Nuno - Porque o dr. Encarnação mo pediu e eu senti que tinha essa responsabilidade. Ajudar, na medida do que me for possível, tendo em conta as minhas limitações pessoais e profissionais. Tive ocasião de explicar ao dr. Encarnação um conjunto de limitações que têm a ver com a minha intensa actividade profissional, ainda assim entendeu–se que era útil a minha presença e cá estou, a procurar fazer aquilo que ele me pediu e tentar corresponder àquilo que se espera que um responsável desta área seja capaz de fazer.
DB - Não receia que a sua intensa actividade profissional prejudique o seu desempenho enquanto vereador?
MN - Tenho. E, no dia em que entender que não sou capaz, di–lo–ei ao dr. Encarnação abertamente. Expliquei com toda a transparência e frontalidade quais as minhas limitações e quando entendermos ambos que não consigo cumprir com o que me foi exigido, vou embora. Até lá, espero, como tudo o que faço na vida, desempenhar as minhas funções com empenho e dedicação.
DB - Como é que encontrou as finanças da câmara?
MN - A câmara teve, nos últimos anos, um crescimento brutal em termos de investimento e de alargamento da sua capacidade de serviço. É natural que isso tenha provocado algumas tensões sobre o ponto de vista financeiro. Foram investimentos avultadíssimos, como é o caso do estádio, da circular externa e de muitas outras obras. Mas é, de facto, um enorme esforço em termos de capacidade de gestão e, consequentemente, um esforço brutal também no que concerne à necessidade de recursos financeiros para suprir com esses investimentos. Por outro lado, foram alargadas muitas áreas, há novos serviços, novas valências e tudo isto teve, obviamente, consequências na situação financeira. Importa agora ter um orçamento de rigor, até porque o contexto nacional assim o impõe. O Orçamento de Estado impõe medidas altamente restritivas e a Câmara de Coimbra não vai ser excepção a estas medidas. Em função disso vamos ter alguma limitações, não direi severas, mas importantes.
DB - As medidas a seguir poderão passar por mudar pessoas ou as formas de actuação?
MN - Ninguém é insubstituível, nem ninguém se deve fazer insubstituível. Devemos fazer com que as coisas - e as instituições não são excepção - funcionem para além da nossa existência, sem depender da peça A ou da peça B. E que funcionem de forma transparente, prestando–se um bom serviço ao cidadão. Não podemos esquecer que estamos a prestar serviços aos cidadãos e, nesta medida, qualquer instituição, câmara ou empresa depende dos recursos humanos que tem, do seu empenho, da sua motivação, do seu sentido de responsabilidade. Mas o que importa não é tanto mudar a pessoa A pela pessoa B - embora circunstancialmente isso possa acontecer - o que importa é criar mecanismos, para que as coisas funcionem sem prejuízo das pessoas.
DB - O excesso de pessoal e os longos atrasos nos pagamentos são duas das críticas feitas com maior frequência às autarquias. Qual é a situação na Câmara de Coimbra?
MN - Excesso de pessoal não sei se existe. Pode é haver uma deficiente afectação de recursos e isso é algo para alterar, mas que não se pode fazer do pé para a mão, é algo que carece de estudo e reflexão aprofundada. Quando cheguei à câmara, para além dos processos de recrutamento em curso, encontrei cerca de 90 pedidos de novas admissões. Isto significa que cada serviço pediu aquilo que acha necessário. Agora, vamos ter que avaliar se há mesmo essa necessidade de pessoal e ver se há ou não condições para reorganizar os serviços, de modo a que essas necessidades de pessoal sejam supridas por gente de dentro, se com a reorganização de processos podemos suprir essas necessidades, se com o aligeirar de alguma carga burocrática, se com o reformular de alguns processos, se com a afectação de outros recursos, que não os humanos, podemos ou não atenuar essas dificuldades.
(... )
Só com insistência o Vereador do Financeiro respondeu à pergunta incómoda " a Câmara não paga aos fornecedores e credores " É duro reconhecer mas uma das razões para os atrasos é que as despesas de pessoal aumentaram muitíssimo. De facto, hierarquizaram-se outras prioridade que passaram por pagar às centenas de boys que encheram a Câmara de Coimbra.

segunda-feira, novembro 28, 2005

VAMOS ESPIOLHAR AS REGRAS DAS CONTAS DOS PARTIDOS POLÍTICOS

Lei 19/2003, de 20 de Junho
( Lei do Financiamento dos Partidos Políticos )

( ... )
Artigo 13.º
Fiscalização interna
1 - Os estatutos dos partidos políticos devem prever órgãos de fiscalização e controlo
interno das contas da sua actividade, bem como das contas relativas às campanhas eleitorais
em que participem, por forma a assegurarem o cumprimento do disposto na presente lei e
nas leis eleitorais a que respeitem.
2 - Os responsáveis das estruturas descentralizadas dos partidos políticos estão obrigados
a prestar informação regular das suas contas aos responsáveis nacionais, bem como a acatar
as respectivas instruções, para efeito do cumprimento da presente lei, sob pena de
responsabilização pelos danos causados.

LIMITE ????

(...)
Artigo 20.º
Limite das despesas de campanha eleitoral

1 - O limite máximo admissível de despesas realizadas em cada campanha eleitoral,
nacional ou regional, é fixado nos seguintes valores:
a) 10 000 salários mínimos mensais nacionais na campanha eleitoral para Presidente da
República, acrescidos de 2500 salários mínimos mensais nacionais no caso de concorrer a segunda volta;
b) 60 salários mínimos mensais nacionais por cada candidato apresentado na campanha eleitoral para a Assembleia da República;
c) 100 salários mínimos mensais nacionais por cada candidato apresentado na campanha eleitoral para as Assembleias Legislativas Regionais;
d) 300 salários mínimos mensais nacionais por cada candidato apresentado na campanha eleitoral para o Parlamento Europeu.
2 - O limite máximo admissível de despesas realizadas nas campanhas eleitorais para as autarquias locais é fixado nos seguintes valores:
a) 1350 salários mínimos mensais nacionais em Lisboa e Porto;
b) 900 salários mínimos mensais nacionais nos municípios com 100 000 ou mais eleitores;
c) 450 salários mínimos mensais nacionais nos municípios com mais de 50 000 e menos de 100000 eleitores;
d) 300 salários mínimos mensais nacionais nos municípios com mais de 10 000 e até 50 000 eleitores;
e) 150 salários mínimos mensais nacionais nos municípios com 10 000 ou menos eleitores.
3 - No caso de candidaturas apresentadas apenas a assembleias de freguesia, o limite
máximo admissível de despesas é de 1/3 do salário mínimo mensal nacional por cada
candidato.

E AINDA ...

(...)
Artigo 19.º
Despesas de campanha eleitoral
1 - Consideram-se despesas de campanha eleitoral as efectuadas pelas candidaturas, com
intuito ou benefício eleitoral, dentro dos seis meses imediatamente anteriores à data do acto
eleitoral respectivo.
2 - As despesas de campanha eleitoral são discriminadas por categorias, com a junção de
documento certificativo em relação a cada acto de despesa.
3 - O pagamento das despesas de campanha faz-se, obrigatoriamente, por instrumento
bancário, nos termos do artigo 9.º, com excepção das despesas de montante inferior a um
salário mínimo mensal nacional e desde que, durante esse período, estas não ultrapassem o
valor global de 2% dos limites fixados para as despesas de campanha.

TAMBÉM QUERO !

(...)
Artigo 17.º
Subvenção pública para as campanhas eleitorais
1 - Os partidos políticos que apresentem candidaturas às eleições para a Assembleia da
República, para o Parlamento Europeu, para as Assembleias Legislativas Regionais e para as
autarquias locais, bem como os grupos de cidadãos eleitores dos órgãos das autarquias locais
e os candidatos às eleições para Presidente da República, têm direito a uma subvenção
estatal para a cobertura das despesas das campanhas eleitorais, nos termos previstos nos
números seguintes.
2 - (...)
3 - Em eleições para as autarquias locais, têm direito à subvenção os partidos, coligações
e grupos de cidadãos eleitores que concorram simultaneamente aos dois órgãos municipais e
obtenham representação de pelo menos um elemento directamente eleito ou, no mínimo, 2%
dos votos em cada sufrágio.
4 - A subvenção é de valor total equivalente a 20000, 10000 e 4000 salários mínimos
mensais nacionais, valendo o 1.º montante para as eleições para a Assembleia da República,
o 2.º para as eleições para a Presidência da República e para o Parlamento Europeu e o 3.º
para as eleições para as Assembleias Legislativas Regionais.
5 - Nas eleições para as autarquias locais, a subvenção é de valor total equivalente a 150% do limite de despesas admitidas para o município, nos termos do disposto no n.º 2 do artigo 20.º
(...)

BRIOOOOSAAAAAAA

BOM DIA...

"Evitamos a inveja se guardarmos as alegrias para nós próprios..."
Séneca

domingo, novembro 27, 2005

ESPEREM...ESPEREM...ESTÃO AQUI UNS EUROS DA CÂMARA DE COIMBRA!

ONDE PARÁ O DINHEIRINHO DA CÂMARA DE COIMBRA ?

BRASIL...UMA TERRA DE OPORTUNIDADES!











BRASIL É UMA TERRA ONDE OS PORTUGUESES SEMPRE SE SENTIAM BEM E ONDE CADA VEZ MAIS PORTUGUESES INVESTIRÃO E REALIZARÃO MAIS NEGÓCIOS.

AI MINHA RICA PRAÇA HERÓIS DO ULTRAMAR !

Coimbra vai lembrar-se do PS de Manuel Machado e vai ficar, para sempre, com a imagem da Solum de há 5 anos atrás. Que saudades!

Os moradores deste conhecido bairro residencial não esquecerão aqueles que aprovaram sem qualquer reflexão este projecto urbanístico:PSD,PS e CDU.

COIMBRA: COMO SERÁ EM 2009 ?

COIMBRA TEM PIORADO MUITO A SUA QUALIDADE DE VIDA NALGUMAS ZONAS RESIDENCIAIS, ONDE ANTES HAVIA QUALIDADE DE VIDA.

EXEMPLO:ZONA EURO STADIUM E DO DOLCE VITA, ONDE O TRÂNSITO AOS FINS DE SEMANA É CAÓTICO, TRANSFORMANDO A VIDA DOS QUE AÍ INVESTIRAM NUM VERDADEIRO INFERNO.
Perguntamos: a Câmara de Coimbra fez estudos de impacto ambiental ? Fez estudos de tráfego ? Ponderou devidamente as suas consequências ?
E o Partido Socialista, onde esteve nessas votações e discussões ?

COM QUANTOS MESES DE ATRASO A CÂMARA DE COIMBRA PAGA AOS CREDORES ?

E QUE TAL COMEÇARMOS A PROCURAR AS DÍVIDAS DA CÂMARA DE COIMBRA ?

CORRAM..RÁPIDO...AINDA HÁ ESTES...


SERÁ QUE CHEGAM À DISTRITAL DO PS/COIMBRA ? OU O PS/COIMBRA SÓ VAI CONSEGUIR CHEIRAR O MOLHO DA CALDEIRADA ?

PORQUE AMAMOS A ACADÉMICA...


TAMBÉM QUEREMOS AJUDAR A ENCONTRAR OS
11 MILHÕES ...

ALADINO SATIFAZ ESTES TRÊS DESEJOS.

1. SER PRESIDENTE DA AAC-OAF

2. SER PRESIDENTE DA ACADÉMICA

3.SER PRESIDENTE DA BRIOSA

A IDADE DA INFÂNCIA !

QUANDO UMA CRIANÇA TEM MEDO DE SER DESCOBERTA REFUGIA-SE NOS SEUS ÍDOLOS DA DISNEY WORLD

VILAR E AS "CUNHAS" NO SOBRAL CID

Como o Politicaehouse ainda não viu nada de concreto e há anos que Luis Vilar promete facilidades naquele hospital psiquiátrico, hoje, refectindo melhor, chegámos à conclusão que só pode ser ao nível dos internamentos, porque "empregos" nem à lupa!

SEM COMENTÁRIOS.



A QUEM SERVIRÁ A CARAPUÇA ?

AS PROMESSAS AUTÁRQUICAS DOS SOCIALISTAS PRENDEM ÁLVARO SECO

3000 CONTOS/MÊS PARA OS
BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS
A/c do Coronel Álvaro Seco

" ... Na campanha eleitoral para as eleições autárquicas foram inúmeras as promessas, pois davam muito jeito para conseguir votos. Passada a época eleitoral, cumpre-se muitas vezes o ditado: “palavras leva-as os vento”.
Vem isto a propósito de uma visita que os candidatos socialistas à Câmara de Coimbra fizeram aos Bombeiros Voluntários da cidade, onde, sensibilizados para as dificuldades financeiras da corporação, em face dos serviços que prestam, comprometeram-se a atribuir uma verba de 3 mil contos por mês (falaram ainda na moeda antiga, para que todos vissem a dimensão da oferta) se ganhassem a autarquia. É verdade que a lista do PS não conseguiu destronar a coligação PSD-CDS-PPM, mas um dos seus elementos, o coronel Álvaro Seco, aceitou um pelouro e logo precisamente o dos bombeiros e protecção civil.
Assim sendo, está em condições de cumprir a promessa... "

in Vinagretas, Campeão das Províncias

DESESPERADAMENTE À PROCURA DE NOMEAÇÕES PARA ADMINISTRAÇÃO DA METRO MONDEGO.


SOCIALISTAS SONHAM COM ADMINISTRAÇÃO DA METRO MONDEGO
Na Rua Oliveira de Matos já se sonha com o último sonho do poder rosa na lusa Atenas: a administração da Metro Mondego.
Soubemos, porém, que as ditas nomeações não vão acontecer tão depressa e mesmo aí, na fila são aos magotes,sendo que, para não variar muito com as últimas tendências, vários listados são académicos independentes e até próximos do CDS.
Então e a malta da Oliveira de Matos caramba ?

sexta-feira, novembro 25, 2005

Nunca um invejoso perdoa ao mérito ...

"Os ataques da inveja são os únicos em que o agressor, se pudesse, preferia fazer o papel da vítima"

Fonte: "Pensamentos e Reflexões"
Autor: Zamora , Niceto

O ataque constante e a incapacidade de reconhecer o mérito não revelarão a vontade (pouco) escondida de tomar o lugar do agredido?!

Por quem, há cerca de um ano, foi derrotado em eleições democráticas!!

A quem interessa o possível naufrágio da Briosa...??

A ver...com naturais consequências na autarquia!!

AS ESCOLHAS DO "DOUTOR" BILAR.

O "DOUTOR" BILAR QUER ALGUÉM QUE PERCEBA DE ROBÔTS
Está feita a escolha daquele a quem simpaticamente chamam de "doutor", não o sendo.
Nunca se desmanchando, é sempre bom ser chamado de "doutor", o "doutor" Bilar escolher o Eng.º Robôt, Rodrigo Maia para seu sucessor. Imposto na lista da Câmara de Baptista, Luis Vilar já havia feito a escolha para a sua sucessão, qual monarquia decadente. Namorado de Carla Violante, também ela imposta pelo mesmo Vilar, nas autárquicas de 2001, a Manuel Machado, Rodrigo Maia é assistente no Instituto Politécnico de Tomar, onde trabalha na área da Robótica. Agora percebemos o que, há dias, parecia absolutamente incompreensível. Rodrigo quê ? Vilar apoia quem à concelhia ? Ouvia-se. Rodrigo Maia, mestre em Robótica é o sucessor ideal para Vilar: manipular e controlar autómatos que respondam a comandos.
Resta saber se os militantes do PS vão demonstrar a Vilar que não são autómatos e que pensam pela própria cabeça.
- Curriculum de Rodrigo Maia ? Opá, diz que é assistente em Tomar. Política autárquica ? O que pensa para Coimbra ? E da co-incineração ? E das modernas políticas de mobilidade nas cidades ? O que defende para planear e ordenar melhor o território ? Opá, sei lá, ele apareceu agora, nunca lhe ouvimos nenhuma intervenção. Conhecemo-lo por ser o namorado da Carla Violante.

A quem souber responder....

Se o sacerdócio exige o celibato e a abstinência para que importa a orientação sexual do padre...?

Ou se calhar importa e eu é que não estou a ver para quê...ou se calhar até estou!!

LEMBRANDO GRANDES LUTADORES...

"...Estratégia é escolher o sítio em que devemos lutar..."
General Wellington
Parafraseando Wellington, o interior dos partidos deve ser capaz de olhar em frente, fazer os balanços necessários e pensar o que Coimbra lucrou nos últimos anos com as lideranças partidárias distritais dos dois maiores partidos ? Que futuro essas lideranças prepararam ? Foram capazes de preparar e fortalecer o futuro, ou, pelo contrário, foram e são verdadeiros eucaliptais ?
Os seus militantes têm de ser capazes de ajuizar isso, têm de ser capazes de olhar em frente, com a distância de alguns anos e ver que o rumo que as lideranças distritais estão a tomar nos dois maiores partidos - PSD e PS - vai no sentido do deserto total; deserto de qualidade, de credibilidade, de responsabilidade e de competência e que isso será fatal em primeiro lugar para esses partidos e por último, e mais importante, será fatal para o país, para a democracia e para os portugueses.

CARMONA EM MINORIA NA CÂMARA VIU REJEITADA A PROPOSTA DE DELEGAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS DE URBANISMO EM SI PRÓPRIO PELA OPOSIÇÃO

Dezenas de processos de pedidos de licenciamento urbanístico vão ser discutidos quarta-feira em reunião da Câmara de Lisboa, uma situação "caótica" que resulta da não atribuição de competência nesta área ao presidente, decidida pela oposição.
A Câmara de Lisboa não delegou várias competências da área do urbanismo ao presidente, o que impede uma reposta rápida aos inúmeros pedido de licenciamento que diariamente dão entrada nos serviços da autarquia, refere a CML em comunicado.
"Esta situação vai tornar caótica a gestão urbanística da cidade",
disse à agência Lusa uma fonte da autarquia.
Na próxima reunião pública de câmara, quarta-feira, serão discutidas dezenas de propostas relacionadas com pequenas obras, como modificações de interiores e exteriores, ampliações de áreas de cozinha e de instalações sanitárias.
Licenças de mudança de utilização de habitação para terciário e de alteração de arrecadações e de compartimentação de interiores e licenças para demolições de paredes são outras das propostas que vão estar em discussão.
Estas propostas estão a partir de hoje disponíveis para consulta dos partidos da oposição (PS, PCP, BE e CDS).
Além das propostas de agenda, existem mais de três centenas de processos na Direcção Municipal de Gestão Urbanística da CML para serem agendados para as próximas reuniões de câmara.
"A última reunião de câmara tinha 12 pontos e demorou seis horas, a próxima tem 100 pontos", comentou a fonte da autarquia.
O PSD, liderado por Carmona Rodrigues, ficou em minoria na Câmara de Lisboa e em maioria na Assembleia Municipal.
in lusa
Se a moda pega !!!!

VILAR DIVIDIDO ENTRE DEIXAR OU NÃO DEIXAR A CONCELHIA

LUIS VILAR EM DÚVIDA ENTRE DEIXAR A PRESIDÊNCIA DA CONCELHIA DE COIMBRA DO PS E VOLTAR A CANDIDATAR-SE PARA MAIS UM MANDATO
Luis Vilar costuma usar a estratégia de ser um homem desinteressado. Nunca quer objectivamente nada, pelo menos em público afirma sempre que em primeiro lugar está o PS e os interesses do PS. O que é facto é que ele, Luis Vilar, "mina" e impõe, atrás do biombo.
Saiu do sindicato dos bancários e foi directo para adjunto de Victor Baptista no Governo Civil. Depois saiu do Governo Civil para a Câmara Municipal de Coimbra, onde foi vereador, afirmando não ter ido para a lista de deputados porque não quis e afirmando, pelo meio, uma recusa de um convite de António José Seguro para embarcar como assistente dele no Parlamento Europeu.

SOARES INAUGURA SEDE DO MASP 3

SOARES JÁ TEM SEDE DE CANDIDATURA: MASP 3 SERÁ, DE NOVO,
NA AV. FERNÃO MAGALHÃES
Mário Soares inaugura aquela que foi a sede-símbolo, em Coimbra, do primeiro MASP.
À procura de imagens simbólicas, Mário Soares, escolhe a AV. Fernão Magalhães onde arrancou àquele que seria a vitória da crença e da força de vontade.
Também há 20 anos atrás ninguém acreditava!

Recordemos um mito....

No passado:
No Presente:
e recordar que um mito não passa de um mito....
Um mito é um relato em forma de narrativa com carácter explicativo e/ou simbólico, profundamente relacionado com uma dada cultura e/ou religião. O termo é, por vezes, utilizado de forma pejorativa para se referir às crenças comuns (consideradas sem fundamento objectivo ou científico, e vistas apenas como histórias de um universo puramente maravilhoso) de diversas comunidades. No entanto, até acontecimentos históricos se podem transformar em mitos, se adquirem uma determinada carga simbólica para uma dada cultura

quinta-feira, novembro 24, 2005

´QUANDO OS GATOS SE TORNAM CONQUISTADORES DE PODER ...


"Terrorismo" político, aprendam como se faz.

Mensagem SMS; Remetente: 3350, Enviada: XX:YY:ZZ; 23-Nov-2005:

"Caro Camarada, Sabado 26/11 pelas 11:30 no Cemiterio de Coja, Homenagem do PS ao saudoso Dr. Fernando Vale. Comparece!Um abraço, Victor Baptista." (sic)

Sábado, dia 26, pela mesma hora, Manuel Alegre estará em Coimbra para um almoço com amigos e apoiantes.

Inteligente este VB, não acham?

TACHO VERSUS FUNÇÃO DE INTERESSE PÚBLICO.

CONCEITO DE "TACHO"
VERSUS
DESEMPENHO DE FUNÇÃO DE INTERESSE PÚBLICO.
Muito se tem dito e escrito sobre estes dois conceitos que, aparentemente semelhantes, se revelam tão distintos!
Tudo depende, naturalmente, das funções e, claro está, das pessoas que os ocupam.
É como em tudo na vida. Um nosso leitor há dias atrás dizia, e bem, que a credibilidade e o reconhecimento constrói-se ao longo dos anos e demora tempo!E é precisamente o tempo que faz o nosso curriculum.
Agostinho da Silva dizia que " ... a primeira condição para libertar os outros é libertar-se a si próprio; quem apareça manchado de fanatismo ou dominado por impulsos, não o tomarei eu como guia do povo; apenas uma clara inteligência, crítica e corajosa banirá do seu campo a mentira e a incompetente retórica..." .
Quer precisamente isto dizer que, regra geral, é a inveja que faz com que igualemos tudo e todos. Todos os que conseguiram singrar por capacidades próprias, trabalho e esforço próprios são imediatamente igualados àqueles que, fruto da sorte, nuns casos, fruto de tácticas políticas ocupam, ocasionalmente, funções de relevo nacional.
Pois é. Mas nós fazemos distinções, sob pena de um dia acordarmos e não termos sociedade. Não nos deixamos influenciar por populismos fáceis.
Nem todos nós somos iguais .
Há os que, por sorte, tácticas políticas e escolhas pessoais efémeras, que vão mudando ao sabor do poder de cada momento, conseguem durante uns anos ocupar "tachos".
Depois há uma minoria que, apesar de não pretender andar sobre as ondas altas do mar, conseguem impor as suas capacidades, por méritos pessoais, e por competências próprias.
Um dia, esperemos que me engane, não teremos ninguém disponível para ocupar funções de relevante interesse público e apenas teremos disponíveis para os "tachos", mas nesse dia vou embora de Portugal porque aí o futuro não assegurará nada de bom.
Apesar de nos custar muito, por vezes, reconhecer isso, todos nós, lá no fundo, sabemos fazer estas distinções e sabemos bem que elas existem.

CAVACO PERDE TERRENO E ALEGRE SOBE.


Cavaco Silva perde terreno e não garante eleição à primeira .

Cavaco Silva ficou mais longe de ganhar na primeira volta. O candidato apoiado pelo PSD e pelo CDS tinha em Outubro 48,8% dos votos e tem agora 44%, sem contar com os indecisos.
Ainda assim, são mais os entrevistados (46,5%) a considerar que Cavaco obtém a vitória logo no dia 22 de Janeiro do que os que acreditam (38,8%) que os candidatos da esquerda vão obrigar o ex-primeiro-ministro a disputar uma segunda volta. Seja como for, dois terços dos entrevistados (ver caixa) não têm dúvidas de que o próximo Presidente da República será Aníbal Cavaco Silva.
Manuel Alegre mantém-se como o candidato com mais possibilidades de disputar uma eventual segunda volta, tendo subido em relação ao barómetro de Outubro quase um ponto percentual. Alegre tem agora 14,6% das intenções de voto, alargando ligeiramente a diferença em relação ao candidato apoiado pelo PS, Mário Soares, que sobe apenas três décimas, para os 10,6%.
À esquerda há uma mudança de posição entre o candidato comunista, Jerónimo de Sousa - sobe ligeiramente para os 4,9% -, e o candidato do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã - está agora em quinto lugar, com 4,6%.

METRO MONDEGO / ELÉCTRICO RÁPIDO.

Encarnação apreensivo com eléctrico rápido.
Um silêncio “entremeado” por «perfeitas barbaridades» que levam Encarnação a afirmar que voltámos «à pré-história» e a concluir que «não querem fazer o eléctrico rápido em Coimbra»Promessas não cumpridas levam Carlos Encarnação a afirmar que «não querem fazer o eléctrico rápido em Coimbra».

Mas o silêncio de um lado conjugou-se, do outro, com «perfeitas barbaridades» ditas pela secretária de Estado «em relação a esta questão», que demonstram «não compreender o que se está a passar», adianta Carlos Encarnação, referindo-se, em concreto a declarações publicadas numa revista da especialidade, onde a governante afirmava que «quem devia fazer a requalificação urbana não era a Metro Mondego, mas a Câmara de Coimbra».

«Toda a gente compreende que quem tem poderes de abrir caminho ao metro tem de ser a entidade que tem poderes expropriantes para esse efeito, que é a Metro Mondego», explica o autarca de Coimbra, lembrando que as expropriações estão feitas («faltam dois ou três prédios») e «foi pedido financiamento comunitário que se aplicasse a essa questão e ele continua sem ser despachado».

Para Encarnação é «inevitável» que o corredor do metro seja o que está definido, concretamente na zona do Bota Abaixo. «É um sítio que ninguém contesta do ponto de vista técnico, em relação ao qual os estudos ambientais estão todos feitos.

«Tentei explicar ao senhor ministro duas ou três coisas importantes», a começar pela “migração” da questão do ramal da Lousã para o eléctrico rápido de superfície, que aconteceu porque, «se entendeu, do ponto de vista dos vários governos e das câmaras municipais envolvidas, que a solução que melhor servia conjunto era aquela solução, pela qual parte do financiamento da iniciativa era bebida na exploração das linhas urbanas de Coimbra, possibilitando um equilíbrio do investimento».

Notícia publicada hoje no Diário de Coimbra.
AGORA QUEREMOS SABER A POSIÇÃO DOS DEPUTADOS SOCIALISTAS ELEITOS PELO CÍRCULO DE COIMBRA E DOS VEREADORES SOCIALISTAS NA CÂMARA, RESPECTIVAMENTE UM PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO E O OUTRO PRESIDENTE DA CONCELHIA.

Por falar em telefones ...

Será que é acto de boa gestão os Serviços de Finanças não atenderem o telefone no horário de funcionamento?
É para isto que o quadro do BCP lá está?
Onde fica o contribuinte? Que direitos tem?

quarta-feira, novembro 23, 2005

TRIM...TRIM...TRIM...


QUANDO O TELEFONE TOCA E DO OUTRO LADO É DO GOVERNO CIVIL
...
ALLÔ
...
CANDIDATURA A QUÊ? DE QUEM ?

Se se isto fosse verdade!

E se eu estivesse a tratar das minhas varizes e alguém ao meu lado não parasse de falar ao telemóvel: de política!

E como é que se há-de tomar Oxigénio sem parar de falar?

E se alguém em viagem na auto-estrada lhe tivesse alguém a "falar para Tóquio"?

Assim é que seria política! Era assim que eu gostaria de ´viver.

terça-feira, novembro 22, 2005

SÓCRATES DESMENTE ALEGRE. ALEGRE DESMENTE O LIDER.



Alegre não aceita que o PS não o tenha apoiado.
Sócrates afirma que Alegre nunca foi pensado como candidato Presidencial apoiado pelo PS.
AFINAL EM QUE FICAMOS ?

MALÓ QUER TIRAR ACADÉMICA A EDUARDO SIMÕES.


A LUTA PELA ACADÉMICA VOLTOU A ACENDER-SE
Simões esmagou Maló há um ano atrás, tendo mais dois anos de mandato para cumprir à frente dos destinos da Académica.
Diz Maló que o passivo da Académica é alto, sobretudo atentos os resultados desportivos.
Ó senhor doutor; os resultados desportivos só se contabilizam no final do campeonato.
A guerra pelo poder na Briosa voltou a estalar, dando credibilidade a uma notícia que nos chegou aos ouvidos, no sentido de que Maló aceitou ser Director de Campanha de Encarnação e juntou armas às de Pina Prata, com o intuíto de "correr" com o Presidente da Briosa de Director Municipal das Obras, considerando o médico dentista que dessa forma seria mais fácil fragilizá-lo na AAC-OAF.
A ver vamos se será assim tão fácil !
Esqueceu-se foi de que "incompatibilidades éticas" iguais às de Eduardo Simões é coisa que não falta na Câmara de Coimbra e até podemos começar por alguns vereadores!

COMENTÁRIO QUE ENTROU NO MUNDO POLITICAE

POLITICAE SEM MEDO RESPONDE

" ... Na falta de balizas ideologicas e conceptuais devidamente apreciadas e amadurecidas os protagonistas públicos habituaram-se a responder aos sucessivos desafios utilizando o conceito GAME OVER.
Enxertados no corno de cabra da investida materialista dos oitenta com a revoluçao digital e comunicacional dos noventa, politicos e comentadores, orfaos bastardos da velocidade, respondem apenas com reflexos pavlovianos ao imediato, conduzindo a acçao mais por interesses do que por princípios. Sacrificam tudo e todos às suas individualistas volúpias de momento, esquecendo que a credibilidade se constroi no tempo e pelo tempo, preferem o caduco ao perene, nada enxergam para alem do pó que produzem quando destroem, por despeito, as construções alheias.
Politicae ataca hoje Carlos Encarnação, na sua despudorada atitude recrutadora de lacaios laranjas, justificando dessa forma a aparente debilidade das finanças autarquicas. Esquece que o Edil nada construiu, nada planeou, nada conseguiu para alem de falinhas mansas, promoçao pessoal e obras de fachada.
Mas o que Politicae nao conseguirá nunca fazer esquecer é a cobertura de meios e o beneplacito que conferiu a todos os que, neste blogue, atacaram violentamente os socialistas que de alguma forma tentaram alterar essas situações.
Na vida politica com o GAME OVER nao bastará inserir moeda para começar de novo. Se Politicae comeu a carne de quem lutou contra Encarnaçao, agora que lhe roa os ossos. Bom proveito.
GAME OVER ..."
Caro leitor:
Apreciámos o seu comentário que fizemos questão de publicar, trazendo-o à estampa.
O Politicaehouse nasceu de um grupo de 5 amigos, de vários concelhos do distrito de Coimbra, aos quais se juntaram outros tantos, oriundos de famílias políticas distintas, da direita à esquerda.
Nunca o escondemos. Foi e é o nosso respeito pela democracia que nos motivou e motiva a compor um blog pluralista e não um blog de pensamento único, onde a crítica a socialistas seria considerado sacrilégio.
Cada um comenta o que entende comentar, expõe o seu livre pensamento. Aliás, a nossa raiz pluralista, profundamente republicana e democrática impede-nos de acenar com a cabeça, especialmente quando não acreditamos.
Por essa razão houve quem criticasse Carlos Encarnação no período eleitoral e houve quem o aplaudisse. É da vida!
Agora com a máxima franqueza possível também sou capaz de lhe dizer que, sendo socialista, apesar de não militante, jamais aconselharia o voto no candidato que os militantes socialistas escolherem. Não confio e não acredito em Carlos Encarnação. Mas o PS apresentou nas urnas alguém que mereceu ainda maior desconfiança e menor credibilidade. E tal como o caro leitor afirmou, a credibilidade constrói-se ao longo do tempo e pelo tempo.
O pior que poderia defender para o meu concelho seria apoiar o péssimo em vez do mau.
Lamento a franqueza, mas é o meu sentimento e o de milhares de conimbrisenses que, deixando de votar em Encarnação, também não deram o seu voto a Baptista. E isto, meu caro, também tem leituras. Não fui o único a desconfiar da alternativa. Milhares de cidadãos sentiram o mesmo que eu.
Não perceber isto é não perceber e não querer ouvir a voz dos cidadãos .
Por último, gostaria de saber porque razão Baptista e os socialistas dispensaram o único socialista de qualidade ( João Silva ) que verdadeiramente fez oposição e fragilizou Encarnação durante o primeiro mandato ? Porquê?
São atitudes destas que nos fazem desconfiar da alternativa proposta pelo PS nestas autárquicas em Coimbra. Afastar os bons nunca é bom presságio de um futuro melhor!
A verdade custa, mas é assim mesmo.
GAME OVER.

O poder conduz ao orgulho e, o orgulho, à insolência !

" ... POR VEZES A FALTA DE GÉNIO NÃO É MAIS QUE A FALTA DE CORAGEM ..."
Aristoteles


" ... A única coragem é falarmos na primeira pessoa ..."

" ... Coragem é a resistência ao medo, domínio do medo, e não a ausência do medo ..."

" ... A maior prova de coragem é suportar as derrotas sem perder o ânimo ..."

O Politicaehouse gostou destas citações e transcreveu-as do grande filósofo e sábio, Aristóteles.

As minhas leituras...

As "lições" de Vital Moreira

Isto não é mais do que a consequência previsível da actuação de um ministro incendiário - actividade em franca expansão no nosso País!

Resta saber se este ataque aos profissionais da área que lhe cabe a tutela é uma estratégia pensada para desviar as atenções das medidas inócuas que tomou para melhorar(?!!) o sistema judicial.

Efectivamente este ruído que se criou, alimentado pela indignação dos profissionais judiciários, acaba por abafar as criticas ao ministro e ao governo.

É pena que, em tempo de crise e de natural contestação, se alimente desta forma o bulício para assim governar em sossego...É paradoxal, mas resulta!

ESTAS IMAGENS DE ALEGRIA E GRANDE ESPERANÇA VÃO-SE ESVAINDO CADA VEZ MAIS NO REINADO DE ENCARNAÇÃO.
FOI ASSIM EM 2001, MAS EM 2005 A COLIGAÇÃO DE DIREITA SOFREU, POR INCRÍVEL QUE PAREÇA, MUITO DESGASTE, PERDENDO MAIS DE 6500 VOTOS. VÁRIOS SÃO OS SINAIS PREOCUPANTES DE FAVORECIMENTOS PARTIDÁRIOS E COLOCAÇÃO DE BOYS LARANJA SEM EXPLICAÇÃO.
A CÂMARA ENDIVIDOU-SE E PASSOU DE UMA SITUAÇÃO FINANCEIRA POSITIVA E ESTÁVEL PARA ESTAR EM ALERTA LARANJA.
ALIÁS, PERGUNTAMOS APENAS QUANTAS AVENÇAS, ESTÁGIOS PROFISSIONAIS ESCOLHIDOS A DEDO, CONTRATOS A TERMO HÁ NA CÂMARA DE COIMBRA DESDE 2001 ?
OS PAGAMENTOS QUE ERAM FEITOS A 30 DIAS PASSARAM A SER FEITOS A 8 MESES.

LEMBRAM-SE DE BAPTISTA TER PROMETIDO APRESENTAR NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DUAS PROPOSTAS DE LEI ?
UMA PARA CRIAR INCOMPATIBILIDADES AOS DIRECTORES DOS JORNAIS E OUTRA PARA PROLONGAR A APLICABILIDADE NO TEMPO POR 20 ANOS DA PASSAGEM À REFORMA AOS 65 ANOS.
Baptista no calor da sua campanha para as eleições autárquicas revelou que iria, na sua qualidade de deputado apresentar duas propostas legislativas, no seu entender, importantes: uma para criar incompatibilidades na iniciativa privada, impedindo que directores dos jornais privados pudessem trabalhar para grupos económicos ( apesar de não pretender impor essa mesma incompatibilidade a si próprio enquanto deputado ) ; a outra a de apresentar uma proposta de alteração à passagem à aposentação aos 65 anos apenas daqui a 20 anos, para os funcionários públicos que hoje tivessem cerca de 40 anos de idade.
Então, sr. deputado, esqueceu-se destas suas promessas ?

À ATENÇÃO DE MARQUES MENDES


OCDE RECOMENDA À ALEMANHA NOVO AUMENTO DA IDADE DE REFORMA
A Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE) aconselha a Alemanha a alongar a vida activa dos assalariados, num relatório hoje publicado.
A OCDE saúda a decisão do novo governo alemão, que entra em funções esta terça-feira, de atrasar para os 67 anos a idade de passagem à reforma que é actualmente de 65 anos, mas pronuncia-se a favor de uma aplicação mais rápida desta medida.
O contrato de coligação entre as duas principais formações no poder prevê um alongamento gradual da vida activa, de um mês por ano a partir de 2012. A reforma a 67 anos só se tornaria efectiva a partir de 2035.
A OCDE recomenda igualmente à instituição de um princípio de obrigação de procurar emprego, mesmo para os mais idosos, e medidas favorecendo os programas de formação.
Nos 55-64 anos, somente duas pessoas em cada cinco têm um emprego da Alemanha, contra três em cindo nos Estados Unidos e 70 por cento na Suécia, observa ainda a OCDE.

As presidenciais.


MAIS UMA VEZ A FALTA QUE JOÃO SILVA FAZ.


Tribunal de Contas e IGAT investigam Câmara
PS NA CÂMARA SILENCIADO.

Em causa estão alegadas irregularidades e ilegalidades nos recursos humanos da autarquia.

A Inspecção-Geral da Administração do Território (IGAT) e o Tribunal de Contas estão a investigar a Câmara de Coimbra por alegadas irregularidades nos recursos humanos no mandato anterior, anunciou hoje um ex-deputado municipal socialista, que denunciou o caso ( João Silva ).
As investigações foram reveladas hoje, em comunicado, pelo ex-deputado municipal João Silva (PS), que refere que, na sequência das queixas por si apresentadas em 2004, o Tribunal de Contas (TC) decidiu proceder a uma acção de fiscalização à Câmara de Coimbra, que, nas eleições autárquicas de Outubro, voltou a ser ganha pela maioria PSD/PP/PPM.
De acordo com o ex-deputado da Assembleia Municipal de Coimbra - órgão no qual também denunciou o que classifica como «irregularidades e ilegalidades» - esta fiscalização não prevista do TC ao domínio dos recursos humanos da autarquia encontra-se em fase de elaboração do relatório.
Por seu turno, a IGAT solicitou ao presidente da autarquia, o social-democrata Carlos Encarnação, que lhe remeta «a decisão que autorizou o pagamento como director de departamento ao chefe de divisão dos recursos humanos, porque ela não faz parte dos documentos justificativos enviados pela Câmara», adianta João Silva.
Durante os oito anos da presidência do socialista de Manuel Machado, João Silva foi o vereador responsável pelas questões financeiras.
A IGAT pede também ao presidente da Câmara que declare «a nulidade do despacho do [então] vereador Manuel Rebanda, que determinou a abertura de concurso para oito lugares de chefe de repartição, porque está inquinado na modalidade mais grave das invalidades: a nulidade».
«Chegou-se à situação paradigmática de nomear como chefe de divisão dos recursos humanos um funcionário de outra Câmara, que era vereador do PSD numa terceira Câmara e que, apesar de desempenhar funções de chefe de divisão era pago como director de departamento», sustenta João Silva na nota.

O ex-deputado municipal alude também a «sucessivas alterações em júris de concurso e à abertura de um concurso para oito chefes de repartição, categoria em extinção e para a qual não há, nem havia, lugares no quadro da Câmara».
«No anterior mandato autárquico denunciei, por diversas vezes, no exercício das minhas atribuições enquanto deputado municipal, a errada e desastrosa política de recursos humanos seguida pelo PSD, PP e CDU na Câmara de Coimbra», refere.
Segundo João Silva, «assistiu-se à contratação de dezenas e dezenas de avençados e ao recrutamento de dirigentes com base em critérios estritamente partidários ou de relação familiar».
«Foram ignoradas as consequências desta política, que se irão reflectir, por muitos e muitos anos, nas finanças da Câmara. Houve uma postura de total desconsideração profissional pelos funcionários da própria Câmara», sublinha ainda.
O presidente da Câmara de Coimbra escusou-se a comentar as investigações.

segunda-feira, novembro 21, 2005

ALEMANHA COMEÇA A CORTAR NOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS

À ATENÇÃO DE MARQUES MENDES
Merkel reduz 13º mês para metade

Merkel quer também aumentar o tempo de trabalho semanal dos funcionários públicos em uma hora.
A nova chanceler da Alemanha, Angela Merkel, está a preparar uma série de medidas para travar o défice orçamental no país e vai reduzir para metade o 13º mês pago aos funcionários públicos e pensionista já a partir de 2006.
A medida aplicar-se-á também à chefe do Governo, bem como aos seus ministros e secretários de Estado.

JOSÉ SÓCRATES PRETENDE REMODELAÇÃO APÓS PRESIDENCIAIS

ANUNCIADAS PARECEM ESTAR AS SAÍDAS DE MANUEL PINHO E DE MÁRIO LINO, RESPECTIVAMENTE DAS PASTAS DA ECONOMIA E OBRAS PÚBLICAS
NOVA ESTRUTURA ORGÂNICA TERÁ DOIS VICE-PRIMEIROS-MINISTROS: ANTÓNIO COSTA E FREITAS DO AMARAL
Com as saídas anunciadas dos Ministros da Economia e das Obras Públicas, dois sectores fundamentais para que a Economia do país dê definitivamente o salto que precisa, José Sócrates tende a apostar em fortalecer politicamente o executivo criando dois Vice-Primeiros-Ministros.
Com a imagem de Jorge Coelho já muito desgastada aos olhos dos cidadãos, falta ao Governo e a José Sócrates quem consigo divida o desgaste das medidas duras que o Governo tem imposto e que o País precisará.
Por isso mesmo, António Costa poderá subir a Vice-Primeiro Ministro, não se sabendo se com a mesma pasta da Administração Interna ou se saltará precisamente para as Obras Públicas e Freitas do Amaral, figura respeitável, que poderá também ser Vice-Primeiro-Ministro, mantendo os Negócios Estrangeiros.
Quanto à pasta da Economia, alguns nomes estarão na primeira fila, como António Brandão, catedrático da faculdade de economia do Porto, Jorge Caldas Gonçalves, oriundo do Grupo Mello ou José Penedos, Presidente da REN.

domingo, novembro 20, 2005

O PODER CEGA.


" ... Os detentores do poder ficam tão ansiosos por estabelecer o mito da sua infiabilidade que se esforçam ao máximo para ignorar a verdade... "
Pasternak , Boris

Marques Mendes «não se vê ao espelho»

«O dr Marques Mendes, cuja credibilidade os outros colocam em causa, não pensa nele próprio, nem se vê ao espelho»
«Nesta coisa do tráfico de influências já veio a público que ele (Marques Mendes) procurou que eu lhe metesse um familiar na Liga como funcionária e é das pessoas que mais influências faz para arranjar lugares»
«Ainda nestas últimas autárquicas por aquilo que me foi dito por alguns colegas ele tudo fez para interferir na constituição das listas nas próprias autarquias»

Valentim Loureiro in Tsf

Umas pequenas questões...

FALANDO EM INCOMPATIBILIDADES "ÉTICAS"...

Será que a Câmara de Coimbra atribui importância ao ensino do inglês ?
Quem é que a Câmara Municipal de Coimbra contratou para dar as aulas de inglês ?
Quem é que a Câmara Municipal de Coimbra tem a gerir a formação profissional?
Que trabalhadores da Câmara Municipal de Coimbra estão a gerir a sua formação profissional nos recursos humanos?
A que conclusão chegamos ? ...

A ACADÉMICA, TAL COMO OUTROS CENTROS DE PODER, É ALVO DA COBIÇA DE MUITOS ANSIOSOS PELO PODER.


"...A ânsia de poder não é originada da força, mas da fraqueza..."
Fromm , Erich

sábado, novembro 19, 2005

Para Reflexão...

O meu advogado tem medo

Umas dezenas de advogados estão, nesta altura, a caminho do Algarve para participar num congresso. Mas a maioria nem sequer tem dinheiro para a viagem. As estatísticas dizem que metade da classe não chega a ganhar 1.000 euros mensais e um grande número - cerca de 5.000 - nem sequer consegue facturar 500 euros por mês. Qualquer empregada doméstica ganha mais do que isso.
O problema é deles - pensar-se-á. Só que o problema, de facto, é nosso. A tal empregada doméstica, assim como a generalidade dos portugueses, jamais conseguirá contratar qualquer um dos advogados que está, neste momento, a discursar no Congresso do Algarve. Por isso, terá de se contentar com os "outros".
Os "outros" são imensos - formam-se 5 novos advogados por dia; tantos que se atropelam na "caça às oficiosas" , um autêntico bodo oferecido pelo Estado aos que se prestam a defender os pobres. E aí, tal como sucede nas urgências dos hospitais, é uma autêntica roleta russa. Mas o que mais me impressionou recentemente foi o medo, bem espesso, que paraliza a actuação de alguns profissionais.
Refiro apenas dois exemplos. Num caso de evidente injustiça, entrevistei uma advogada que, no dia seguinte, me telefona desesperada: tinha pensado melhor e pretendia cancelar o seu depoimento, para não ficar "queimada" no tribunal. Estava nitidamente apavorada com a perspectiva de sofrer retaliações dos juízes. Com outra advogada sucedeu algo semelhante, apesar de ter o cliente injustamente preso. Só que, neste caso, foi pior - se não fosse alertada, teria perdido o recurso, porque desconhecia os prazos legais.
Amedrontados pela miséria e sem uma sólida formação académica, nem profissional, estes advogados são pura e simplesmente "esmagados" em qualquer tribunal. E os clientes, como é evidente, também. Por vezes, a injustiça é tão flagrante que se torna imperioso eguer a voz na imprensa. Para os "fundamentalistas", que já estarão a torcer o nariz, basta lembrar que, com ou sem razão, foi o que fizeram arguidos tão ilustres como Leonor Beleza, Fernando Negrão, Luis Filipe Meneses, Fátima Felgueiras ou Paulo Pedroso. Mas os pobres, não só têm mais dificuldade em obter apoio jurídico, como também lhes é mais complicado chegar à imprensa. E é precisamente nestes casos que se torna fundamental advogados que batam o pé, tanto na sala de audiências, como na praça pública.
Exigir coragem é bem mais fácil para quem tem um ordenado confortável no final do mês. Mas ver, como eu tenho visto, tantos advogados a entrincheirar-se, com medo, entristece-me. Na minha galeria de heróis, o advogado é aquele que, em altura de aflições, se põe à nossa frente, para nos proteger das balas.

Sofia Pinto Coelho

Prémios Figueira Fantasia 2005

O nosso vizinho tem uma boa iniciativa que merece ser divulgada: os Prémios Figueira Fantasia 2005, o Politicaehouse decidiu prestar uma pequena ajuda ao nosso vizinho, para isso basta que enviem dicas (sobre quem gostariam de ver premiado) e sugestões (o porquê de fulano ou sicrano serem premiados ou que prémio atribuir) para este endereço de e-mail: figueirafantasia@gmail.com .

Vamos recordar alguns dos prémios do ano passado:

Prémio “E a mim prometeram-me um lugar na vereação” – João Portugal (o líder distrital da juventude socialista é um justo vencedor devido à lapidar frase “nunca foi tão fácil ganhar as eleições autárquicas [na Figueira]”).

Prémio “Tenho brevet mas não voo” – António Paredes (Opositor declarado à candidatura de Luís Marinho, o líder de secção de Buarcos do PS alertou que candidato à Câmara “não é quem quer mas quem pode”. E atalhou: “quando era pequeno também queria ser piloto de aviões”. Fica em terra a treinar loopings e piruetas várias).

Prémio “Centro de sondagens” – Vítor Batista (mais um mau actor na comédia teatral socialista. Quer ser candidato à força, mas o melhor que consegue é ser desautorizado no partido. O seu nome aparece bem colocado em sondagens que ninguém conhece nem nunca ninguém viu).

Prémio “Sentido obrigatório” – Lídio Lopes (o delegado municipal de segurança e trânsito, presidente dos bombeiros, assessor de obras urbanas municipais, chanceler de confraria e chefe de gabinete do Presidente da Câmara - ufff! - deixou toda a gente estupefacta quando revelou que não tem qualquer poder na autarquia. Nem capacidade para ler o futuro nas estrelas. Ainda assim, caminha a passos largos para vereador - finalmente - executivo. Pode ser que passe a falar à vontade nas reuniões).

Assim vão os Blogs do Distrito...

sexta-feira, novembro 18, 2005

ESTADO PAGA INDEVIDAMENTE 70 MILHÕES DE EUROS

RELATÓRIO DO TRIBUNAL DE CONTAS REVELA QUE ESTADO FOI LESADO EM 70 MILHÕES DE CONTOS, EM PAGAMENTOS INCORRECTOS NO HOSPITAL AMADORA-SINTRA, UMA DAS PRIMEIRAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS,
A isto chama-se gestão danoso. Correia de Campos levantou o problema e o Tribunal de Contas deu-lhe, hoje, razão.
O grupo Melo tem a gestão do hospital Amadora-Sintra, naquela que foi a primeira PPP ( parceria público-privada), entre o Estado e o sector privado.
O Estado, no âmbito desta parceria, fez pagamentos indevidos em cerca de 70 milhões de euros, sendo responsabilizados os membros de várias Administrações da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

LEMBRÁMO-NOS DE ...

PINA PRATA E MARCELO NUNO FORAM "CONDENADOS" A DEVOLVER O QUE RECEBERAM IMPROPRIAMENTE DAS ÁGUAS DE COIMBRA.
PERGUNTAMOS AGORA SE JÁ O FIZERAM ?
Lembram-se do relatório da Inspecção que obrigava à repetição, na Assembleia Municipal de Coimbra, da deliberação em concreto que aprovasse o valor das remunerações da Administração das Águas de Coimbra, SA ?
Lembram-se das acumulações do Pina Prata, enquanto Presidente das Águas de Coimbra, SA e Vice-Presidente da Câmara de Coimbra ?
Pode acontecer muitos terem-se esquecido destas vergonhas, mas o politicaehouse não se esqueceu.

PAULO PEREIRA COELHO É ARGUIDO NA FIGUEIRA DA FOZ

EX-LIDER E EX-SECRETÁRIO DE ESTADO PAULO PEREIRA COELHO É ARGUIDO POR TER ATENTADO CONTRA O BOM NOME DE
UM RESTAURANTE FIGUEIRENSE
Costumo dizer que para alguém se revelar basta darmos-lhe poder. Pois é. É verdade. Para conseguirmos provar que alguém é um bom ou mau político, um político credível ou não, um político competente ou não, basta darmos-lhe, com o voto, a possibilidade de se revelar.
E temos tantos exemplos disso. O pior que pode haver em política é deixarmos que pequenos mártires e pequenos ídolos fiquem permanentemente nessa qualidade. Então sou apologista de lhes darmos poder o mais depressa possível, para, também, o mais depressa possível podermos provar o que pensamos.

MILITAR PORTUGUÊS MORREU NO AFEGANISTÃO

MILITAR DA FORÇA DE REACÇÃO RÁPIDA MORREU HOJE NA EXPLOSÃO DE UMA ARMADILHA E 3 OUTROS MILITARES ESTÃO FERIDOS
Manifestamos, aqui, as nossas sentidas condulências à família deste militar que morreu numa missão de paz.
Ao lado da ameaça feita há dias numa página, onde Osama Bin Laden coloca Portugal na rota de atentado próximo, só me lembro do rasgo daquele político que nos colocou a todos na fotografia dos alvos a abater, aqui mesmo em Portugal, na base das Lages.
Esse portugues já deu provas que afinal a sua alegada apetência para questões internacionais, não passando mesmo de uma alegada apetência, sobretudo na Comissão Europeia onde não tem tido trabalho nada brilhante.
É fácil, pois, pôr Portugal na rota dos alvos número 1 e depois "fugir" para Bruxelas.

FAÇA UMA PEQUENA REDACÇÃO ...


... COM AS PALAVRAS: PINA PRATA; MARCELO NUNO; NUNO ENCARNAÇÃO; CARLOS ENCARNAÇÃO, NUNO FREITAS E O FUTURO.

envie as suas pequenas composições ...

quinta-feira, novembro 17, 2005

UPPPSSSS........

Perguntas dos estudantes incomodam Mário Soares

Em Leiria, Mário Soares ficou incomodado com perguntas inesperadas dos alunos do Instituto Politécnico, relacionadas por exemplo com os rumores que sugerem que os terrenos da Ota são da família Soares, ou com o dinheiro investido pelo Estado na fundação Mário Soares.

SIGA OS BONS EXEMPLOS pf Posted by Picasa

O QUE QUER MALÓ ?

MALÓ QUER A ACADÉMICA
Maló sempre quis a presidência da Académica e para isso delineou um plano milimétrico para afastar Eduardo Simões da Câmara Municipal de Coimbra, por admitir que essa foi e é a sua mais valia, sem a qual Simões ficaria enfraquecido no clube.
Se o raciocínio de Maló estivesse correcto, diríamos que o primeiro obstáculo foi ultrapassado. Efectivamente, ao apoiar Pina Prata no reforço da sua posição no executivo de Encarnação, conseguiu ser o Director de Campanha do Presidente da Câmara e com isso influênciá-lo no afastamento do Presidente da Académica da Coimbra, invocando uma incompatibilidade ética ( não jurídica) que noutros casos não invocou e provavelmente não invocará ( veremos ).
Também conseguiu recolocar Pina Prata como verdadeiro Vice-Presidente e circunscrever João Rebelo a uma posição sobretudo técnica. É sabido que no mandato anterior João Rebelo foi verdadeiramente o Vice-Presidente. Isso não se repete neste mandato e tudo porque Carlos Encarnação precisa do reforço de Pina Prata para depois "fugir" da Câmara e "voar" até Bruxelas perto do final deste seu segundo mandato.
As únicas dúvidas que o futuro se encarregará de responder são: conseguirá Pina Prata manter a sua posição de n.º 2 do executivo ? Conseguirá Encarnação não tomar atitudes semelhantes às que tomou com Teresa Violante e Eduardo Simões com outras figuras que no seu projecto pessoal são essenciais e por isso é importante manter impolutas ?
Conseguirá Maló de Abreu continuar a sua estratégia pessoal até chegar à presidência da AAC-OAF ou para alcançar o lugar é preciso muito mais que afastar Simões da Câmara Municipal ?
Aguardemos pois, tal como Sampaio Nora afirmou um dia: " muita água correrá em baixo desta ponte ".

SÓNIA FERTUZINHOS PREPARA-SE PARA MARCAR ELEIÇÕES PARA O DEPARTAMENTO NACIONAL DE MULHERES

SÓNIA FERTUZINHOS PREPARA-SE PARA MARCAR ELEIÇÕES, À REVELIA DA COMISSÃO NACIONAL, COMEÇANDO PELOS DEPARTAMENTOS
FEDERATIVOS DE MULHERES.
Está instalada a guerra entre as mulheres socialistas em plena luta presidencial. Como se não bastasse o PS andar dividido entre "soaristas" e "alegristas", as mulheres socialistas também decidiram ajudar a instalar a confusão.
Definitivamente Mário Soares não está com sorte e não consegue concentrar os esforços e as energias dos socialistas na sua candidatura.
Em Coimbra, a guerra já está na estrada com Carla Violante, apadrinhada por Luis Vilar, e lançada em Coimbra por Sónia Fertuzinhos, a contactar as mulheres de muitos concelhos. Isso fez com que a Dr.ª Lurdes Castanheira se colocasse, também, em campo, contactando igualmente muitos concelhos.
Carla Violante, jovem de 30 anos, estudante universitária há 10, formadora em igualdade de oportunidades em associações, apadrinhada por Luis Vilar, ex-membro da lista à Câmara Municipal de Manuel Machado, em 9.º lugar, imposta por Luis Vilar, mas sem qualquer intervenção pública, social ou política reconhecidas.
Dr.ª Lurdes Castanheira, assistente social, ex-vereadora na Câmara Municipal de Góis, colaboradora da ADIBER ( Associação para o Desenvolvimento da Beira Serra ), mulher de luta e reconhecida por muitos goienses como o futuro do PS à Câmara Municipal de Góis e à Comissão Política Concelhia de Góis.
Bom, tudo isto daria vontade de rir se não fosse trágico para Mário Soares.

ABRIMOS AQUI UM ESPAÇO AO QUAL CHAMAREMOS DE " ESPAÇO TRANSPARÊNCIA"

OPERAÇÃO "MÃOS LIMPAS"
É sabido que os agentes políticos são tanto mais credíveis quando não escondem os interesses profissionais que defendem, ainda que desempenhando funções políticas.
Tudo o que é transparente e público fortalece a democracia.
Então qual será o grande problema do descrédito da política e dos políticos. É precisamente esta atitude tão portuguesa de ocultar os interesses profissionais de muitos políticos.
É ou não importante saber se o vereador "a" ou o vereador "b" foi ou é prestador de serviços da empresa "x" ou "z", ou saber se é ou foi dono da empresa "y" ?
É ou não útil à democracia saber se o deputado "a" trabalha para o grupo "x" ? Ou saber se o Ministro ou o Secretário de Estado trabalharam para "z" ou "h" ?
É evidente que sim.
É isso que o politicaehouse vai tentar descobrir e noticiar aqui em primeira mão, ou mesmo que seja em segunda mão, noticiará aquilo que muitos comentam nos bastidores e não têm a coragem de trazer à estampa.