quinta-feira, dezembro 14, 2006

REACÇÕES À ACUSAÇÃO DE JOSÉ EDUARDO SIMÕES.

http://www.campeaoprovincias.com/noticias.asp?id=6174

Solidariedade e Confiança

Por deliberação unânime, a Direcção da Académica/OAF manifestou, anteontem, “inequívoca solidariedade e absoluta confiança” em relação à actuação de José Eduardo Simões, “quer no exercício das funções de presidente quer enquanto cidadão”.

Idêntica posição foi reiterada pelo presidente da Assembleia Geral do clube, António Almeida Santos, e pelo presidente do Conselho Fiscal, Gonçalo Capitão.

António Maló de Abreu, opositor de Eduardo Simões quando este foi eleito (há dois anos), declarou esperar que “os eventuais erros de uma pessoa não abalem os alicerces da velha e distinta Briosa”. Ao assinalar ter alertado os sócios para “os maus caminhos que a instituição estava a trilhar”, Abreu realça “o apelo para que se impedisse a Académica/OAF de resvalar para o pântano em que se tornava o futebol português”. “Surpreendi-me com quem não percebeu (ou, porventura, não valorizou devidamente) a mistura explosiva em que [se] envolvia a instituição ao juntar o futebol, a política e os interesses imobiliários; com quem não entendeu o perigo de ter próximos o fogo e a estopa”, concluiu o antigo candidato a líder da Briosa.

Ainda antes da dedução de acusação, na sequência da última reunião da AG do clube, começaram a verificar-se movimentações tendentes a fazer emergir potenciais sucessores de Eduardo Simões (ver páginas 6 e 29).

8 comentários:

Anónimo disse...

Nunca se deve confundir a doutrina com quem a prega,nem um simbolo com quem efémeramente o representa.

Um Cidadão Indignado! disse...

"...Foi acusado (J.E.S.)por ter solicitado apoios financeiros para a Académica, um clube financeiramente débil. É preciso perceber se o fez na qualidade de funcionário da câmara ou como presidente da Académica. A acusação dá como provado que o dinheiro entrou na Académica. O dinheiro não foi para o bolso do José Eduardo Simões. Logo aí, a parte mais negativa da corrupção passiva não se coloca..." (sic)

Trata-se de um excerto de uma entrevista do Dr. Almeida Santos, Presidente da Assembleia Geral da AAC/OAF!
Mas digam-me está tudo doido ou quê?
DEMITA-SE Dr. Almeida Santos!
O ter sido com foi (e é) na Sociedade Portuguesa, não lhe dá crédito para este tipo de afirmações! Não somos todos “uma cambada” de mentecaptos, não pense isso, desiluda-se se assim é! Não somos políticos, somos cidadãos... na grande maioria gente séria!!! Dr. A.S., haja decoro! ( ...E paciência “para levar com uma destas”!!!)
DEMITA-SE!!!

Um Cidadão Indignado disse...

Ontem à noite comentei pela 1ª vez neste blog! Não o vendo hoje publicado, presumo que haja efectivamente sensura (e eu que pensava que era uma guerra só com o "tal corajoso"...

Anónimo disse...

Aprende a escrever e demonstra a tua identidade. só assim acredito que não sejas o mesmo. Aliás, aprende também a escrever. Não é sensura mas censura. Como querem que o psís se destaque em I&D ?

Anónimo disse...

O presidente da nossa BRIOSA, merece todo o respeito dos verdadeiros académicos.

Viva a ACADÉMICA, viva a BRIOSA

Anónimo disse...

"in campeão das províncias" de 23/03/2006

"Transparência robusta:
David Coimbra foi instado a comentar o silêncio do PS perante a acumulação de funções de José Eduardo Simões como líder da Académica/OAF e director de urbanismo na Câmara de Coimbra (triénio 2003/05). A resposta foi clara. Caso fosse presidente da CPCC do PS, o jurista exigiria que Eduardo Simões abdicasse de um dos cargos, pois rejeita a acumulação de funções “sempre que isso fragilize a transparência”. Caso Carlos Encarnação ouvisse mais o opositor de Luís Vilar teria concluído antes de Setembro de 2005 que, se estivesse na posição de Simões, provavelmente, não acumularia cargos. "

Sem comentários....

Viva Coimbra, viva a Acadèmica!

Anónimo disse...

Dizem por aí que o Encarnação tem um acordo com o Vilar. Será verdade?

Anónimo disse...

Qual foi o resultado da denúncia do João Silva ao Tribunal de Contas?
Advinhem quem vai ter que pagar sobre despachos que deu, para além do Encarnação e do Rebanda?