terça-feira, maio 09, 2006

REVISÕES DO PDM SABIDAS ANTECIPADAMENTE PODEM DAR MILHÕES.

Mas mais lucrativo pode ser, ainda, dar capacidade construtiva a terrenos que não a tinham ...

2 comentários:

Pedro Bingre disse...

Nos países civilizados, os PDMs devem ser acompanhados por uma lista exaustiva dos terrenos que transitaram de rústicos para urbanizáveis, indicando para cada um o valor que tinha ANTES da revisão do PDM e o valor que passará a ter DEPOIS dela. Essa lista deve ser acompanhada pelos nomes dos proprietários afectados.

Um terreno classificado de "agrícola" não vale mais do que 1000 contos por hectare. Em Coimbra, esse terreno passa a valer pelo menos 400 MIL contos por hectare assim que é classificado de "urbanizável". Basta um acto administrativo para multiplicar por 400 o seu valor... A esta diferença de preços dá-se o nome de mais-valia urbanística.

A diferença entre Portugal e os países civilizados é esta: nesses países o proprietário é obrigado a entregar as mais-valias ao Estado. Caso contrário, é preso pela prática de crime económico e corrupção.

Na Lusa Atenas, enriquece de súbito com uma "fortuna trazida pelo vento" aquele felizardo que conseguir persuadir os autarcas, os técnicos camarários e os decisores da CCDR a reclassificarem de urbanizáveis os seus terrenos agrícolas. Convém-lhe ter amigos bem colocados.

Somos o único país do Ocidente em que esta forma de corrupção é legal. A opinião pública, ingénua, julga que os problemas do urbanismo português são estéticos e ecológicos. Não são: são de criminalidade económica.

Pedro Bingre disse...

Ontem deixei vários comentários em vários "posts" deste blog. Todos foram publicados pelo moderador, que os considerou suficientemente inócuos para serem divulgados. Porém, aquele que deixei aqui no "post" mais subtil e mais grave do blog -o que insinua a existência de crime económico na preparação dos PDM- foi aparentemente censurado. Qual é o vosso interesse em silenciar as simples contas que fiz aos valores dos terrenos envolvidos?