terça-feira, outubro 17, 2006

O DEBATE DE COSTA COM OS AUTARCAS

NO BLOGUE DO PACHECO PEREIRA - 17.OUTUBRO.2006

O Prós e Contras de ontem foi um programa de televisão notável, sobre o qual se poderia escrever um livro. Um livro sobre Portugal.Breves notas sobre o debate que comentarei mais em detalhe noutro sítio: Por estranho que possa parecer, fruto também dos nossos preconceitos, os autarcas saíram-se muito melhor do que o Ministro António Costa, apoiado por Saldanha Sanches. Muito, muito melhor.
A começar pelo que não se esperava que acontecesse: mostraram um grande domínio da realidade, um muito bom conhecimento dos mecanismos perversos da nova legislação, uma grande capacidade argumentativa e foram ... muito menos demagógicos do que o Ministro.
António Costa foi de uma agressividade malcriada, roçando o insulto, autoritário e demagógico até ao limite. Fernando Ruas comportou-se com uma enorme delicadeza de trato face aos golpes baixos do Ministro, aos quais não era alheio um desprezo intelectual pelos seus interlocutores.
E de "classe", diriam os marxistas, face a um Portugal a que ele claramente se acha superior. Por muito sofisticado que queira ser esqueceu-se de uma regra que funciona magnificamente em televisão: aqueles homens alguns rudes, outros tímidos, transmitiram muito melhor um sentimento de "dedicação" ao seu "povo" do que o governante, que se ria deles.

6 comentários:

Anónimo disse...

Pois é Pacheco, o que acabaste de dizer nas tuas últimas palavras revela bem quem é demagogo aqui "...aqueles homens alguns rudes, outros tímidos, transmitiram muito melhor um sentimento de "dedicação" ao seu "povo" do que o governante, que se ria deles...".
PODEM TRSNMITIR UM SENTIMENTO DE DEDICAÇÃOAO SEU POVO, MAS A REALIDADE É BEM DIFERENT. ESTÃO TODOS A CAGAR-SE PARA O POVO E MENOS RESPEITO TÊM PELO DINHEIRO DE TODOS OS PORTUGUESES. E OS ASSESSORES DO CARMONA RODRIGUES QUE O DIGAM E DA NOGUEIRA PINTO E OS GESTORES PÚBLICOS DA CÂMARA DE LISBOA ETERNOS QUE O DIGAM TAMBÉM....

á pois é... disse...

tambem não exageremos,é obvio que não é tanto assim de fazer mártires ou ingenuos, cada um defende mas é a sua reeleição e a sua corte de apoiantes,talvez a limitação de mandatos possa trazer alguma moderação nas despesas muitas deles pouco criteriosas .
è que quando se gasta dos "outros"é sempre fácil ser demagogo,eu explico o que é bom é a autarquia que faz o que é mau é o governo que tem que lançar impostos e diminuir despesa para alimentar este sistema pelo qual é julgado globalmente, nenhum cidadão se refer ao deficit como responsabilidade das camaras nem á subida de impostos como tambem sua responsabilidade, pois eles so querem fazer coisas para agradar aos cidadaõs muito lindo e de onde vem a massa para o pavilhao para a piscina para a prais fluvial para a banda o rancho folclorico para os clubezinhos das aldeias etcetcetc...

Anónimo disse...

Só o Carmona tem uma dívida acumulada que cobriria todo o Orçamento do Ministériop da Justiça...acham isto normal?

Nuno Moita disse...

Pacheco no seu melhor...até parece que seria de esperar outra conclusão de alguém ligado ao PSD (embora, por vezes) critico).O António Costa não foi nada sobranceiro, começou por não o ser quando aceitou ir a uma debate num ambiente hostil (tipo claque de futebol)e mostrou-se sempre bastante pedagógico e, mas minguem é de ferro e cometeu o deslize de no fim atacar de forma um pouco agressiva o Ruas, mas é compreensível face ao ambiente circundante.

cardeal patriarca disse...

Isto é o Diário do Pacheco Pereira que apesar da sua sobranceria de intelectual - aqui bem aplicada - não deixa fazer comentários no su blog.

Ninguém o conseguiria ensinar. Sabe tudo e de tudo.

Pois - mas do que ele gostou mesmo foi do que resta do PSD - os seus autarcas e politicamente tem de lhes passar a mão pelo lombo.

Todos sentimos - e sentir e mais que saber - que Pacheco Pereira tem um grande respeito intelectual sobre aqueles autarcas.

Já convidou alguns para a quadratura do círculo. Tem a oposição do Lobo Xavier - é dos que pensa que não se conseguem fazer mesas redondas com coisas quadradas.

Anónimo disse...

E a dívida da Câmara de Coimbra, ninguém fala?