segunda-feira, março 27, 2006

É preciso reagir...

É preciso reagir contra o que não é normal em democracia!!

Não é normal que, a pretexto de um almoço de porco preto, um candidato pague quotas aos militantes para que votem nele...

Não é normal que se recusem as listas de militantes a um candidato às eleições que a elas tinha direito...

Não é normal que se chegue à mesa de voto e esteja afixado um cartaz que faz publicidade a uma das listas...

Não é normal ameaças entre candidatos...

Não é normal que não existam condições para exercer o direito de voto de forma secreta, obrigando os militantes a votar à vista de todos...

Não é normal que os regulamentos eleitorais não sejam cumpridos...

Não é normal que apesar de tudo isto acontecer ainda haja quem diga que isto é normal!!

Porque falamos de um Partido democrático, num País democrático, ao qual ajudou a devolver a democracia....é preciso reagir, é preciso mudar!!

Ou será que vivemos felizes com a opressão, a ameaça e a ilegalidade?

É preciso protestar! É preciso reagir!

É preciso mudar...

2 comentários:

Anónimo disse...

O QUE SE PASSOU NA FIGUEIRA FOI UMA VERGONHA PARA TODOS OS SOCIALISTAS.
ALMOÇO DE PORCO NO ESPETO ORGANIZADO PELA LISTA B A ESCASSOS METROS DO LOCAL DA VOTAÇÃO.
ROULOUTTE AO ESTILO DE "VENDA DE FARTURAS" PARA PAGAR QUOTAS A MILITANTES...
ISTO É VERDADEIRAMENTE PORCO!!!
SE NAS ELEIÇÕES PARA A DISTRITAL FOR ASSIM HAVERÁ MUITOS CARTÕES A IREM PARA O LARGO DO RATO...

Socialista convicto disse...

Concordo com tudo quanto expôs.
Mas o rol de irregularidades não acaba na tipificação que fez. São muitas mais! Provavelmente serão conhecidas no tempo certo.
Depois há as pressões, feitas de forma diversa, há processos indignos de quem se afirma socialista e estratégias para vencer seja a que custo for.
Espero que desta vez, e apesar do resultado histórico a que se referiu, mas viciado de todas as formas e feitios, os militantes socialistas -falo apenas dos verdadeiros socialistas -, não deixem branquear o que aconteceu, pois há que dar uma boa lição a quem de forma despudorada, e no atropelo de todas as regras democráticas, continua a agir fora do quadro legal de um Estado de Direito Democrático.