quinta-feira, abril 20, 2006

NO COMMENTS...

Luís Vilar (PS) arguido sob suspeita de corrupção

O presidente da Comissão Política Concelhia do PS/Coimbra, Luís Vilar, foi constituído arguido no âmbito de um inquérito desencadeado para averiguar indícios de prática de corrupção e tráfico de influências, disse ao “Campeão” fonte ligada ao processo.
Vereador da Câmara de Coimbra desde meados da segunda metade da década de 90 [do século XX], foi reeleito recentemente para cumprir terceiro mandato como líder partidário de âmbito concelhio. Luís Vilar já foi ouvido na Polícia Judiciária de Coimbra e houve lugar à realização de uma diligência numa unidade do grupo empresarial TCN a que o arguido esteve ligado como consultor e de cujos quadros faz parte o presidente da Comissão Política Concelhia de Coimbra do PSD, Marcelo Nuno. À constituição como arguido tanto poderá seguir-se a dedução de acusação, a cargo do Ministério Público (MP), como o arquivamento do processo, caso o Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) conclua pela falta de provas. A eventual acusação poderá dar lugar a um pedido de abertura de instrução, da iniciativa do arguido. Se isso acontecer e for proferido despacho de pronúncia, pelo Tribunal de Instrução Criminal (TIC), segue-se a audiência de julgamento. Caso o TIC opte pelo despacho de não-pronúncia, o MP pode recorrer para o Tribunal da Relação de Coimbra, cuja decisão assume carácter definitivo em matéria de pronúncia ou de arquivamento dos autos. A abertura do inquérito foi desencadeada por uma denúncia anónima presumivelmente relacionada com a angariação de fundos para as campanhas das eleições autárquicas. Segundo apurou o nosso Jornal, casou estranheza em certos meios que, alegadamente, nas vésperas da campanha eleitoral para as autárquicas de Outubro de 2005, um magistrado do MP tenha prescindido de pedir ao TIC para pôr sob escuta o telemóvel do líder da Comissão Concelhia do PS/Coimbra. As escutas acabaram por ser feitas posteriormente.
Sem motivos para deixar de intervir
Luís Vilar é amigo do empresário e administrador da BragaParques Domingos Névoa, recentemente acusado, em Lisboa, pelos irmãos Sá Fernandes, de tentativa de corrupção. A alegada tentativa de subornar José Sá Fernandes (eleito pelo Bloco de Esquerda para a vereação da Câmara de Lisboa) visaria levar o autarca a desistir de uma acção contra a empresa. Um aspecto que o MP e a Polícia Judiciária têm na mira é a venda, em 2003, do antigo edifício dos Correios sito na avenida de Fernão de Magalhães (Coimbra). Independentemente de Luís Vilar desfrutar da presunção de inocência, os investigadores querem esclarecer os contornos de um negócio em que interveio a Demagre - Compra de imóveis para revenda, empresa que terá alcançado um lucro de 5,2 milhões de euros em poucas horas. Pelo menos um dos sócios da Demagre está (ou esteve) ligado ao Grupo TCN. Para a Associação de Informática da Região Centro funcionar no antigo edifício dos Correios a Câmara de Coimbra paga uma renda mensal de 22.800 euros, medida recentemente posta em xeque pelo vereador Gouveia Monteiro (CDU). Enquanto vereador e líder concelhio do PS, Luís Vilar absteve-se de questionar a acumulação de funções de José Eduardo Simões como director de urbanismo na Câmara de Coimbra e dirigente da Académica/OAF, bem como os processos do empreendimento Jardins do Mondego e da construção de uma moradia a jusante da rua de Machado de Castro. No início deste ano, o edil interveio numa votação em que a CMC autorizou a empresa inglesa Ebony Concepts Limited a elaborar um plano de pormenor da quinta de São Jorge de Milreu destinado a avaliar se é possível destinar 20.000 metros quadrados de terreno a habitação. A proposta está associada ao propósito de “enquadrar o processo de desenvolvimento e expansão” da Escola Universitária de Vasco da Gama (EUVG), cujo alvará pertence à ACSJM - Associação Cognitária de São Jorge de Milreu (entidade de que Luís Vilar é membro, à semelhança dos autarcas socialistas Victor Baptista e Abílio Vassalo Abreu). “Não tenho os motivos de Marcelo Nuno nem de Victor Baptista para deixar de intervir”, declarou Vilar, na reunião camarária de 9 de Janeiro de 2006, em alusão ao facto de ambos os vereadores terem declinado tomar parte na discussão e votação. A recente saída e entrada de membros da Associação Cognitária coincidiu com a promessa de venda de uma área de 37,6 hectares à Tramcrone (Grupo TCN), cuja posição contratual acabou por ser cedida à Ebony Concepts Limited. Segundo apurou o nosso Jornal, a Sociedade Mosteiro de São Jorge Construções, Lda. prometeu vender, por cinco milhões de euros, à Tramcrone, um prédio misto com 376.400 metros quadrados (ver edições de 12 de Janeiro e 2 de Fevereiro de 2006). Fonte conhecedora do assunto disse ao “Campeão” que haverá um acordo no sentido de a ACSJM se tornar proprietária das instalações da EUVG no horizonte de 20 anos. Notificada pela TCN a respeito da cedência da respectiva posição contratual, a Associação Cognitária comunicou à Ebony ser necessário “providenciar novas áreas de construção destinadas ao desenvolvimento da Escola Universitária de Vasco da Gama”. O “Campeão”, à hora de fecho desta edição, tentou, sem sucesso, obter uma declaração de Luís Vilar.

aqui

9 comentários:

Anónimo disse...

Eu como militante do PS fico indignado com estes dirigentes que se aproveitam do PS para subirem na vida, e que depois metem o Partido em desgraça com as suas mãos sujas para interesse próprio, é uma vergonha, Luís Vilar o braço direito do Vítor Batista. Eu vi o que esses senhores fizeram nas ultimas eleições internas na Figueira da Foz, só é pena que o senhor Eng. Sócrates não veja o que estes senhores fazem para estarem no poder, porcos assados no espeto, compra dos militantes para votar neles com a promessa de lhe pagarem as cotas, empregos para os filhos, etc.etc.etc. e os outros que não vão neste golpe sujo são perseguidos internamente no partido, e se os seus nomes se forem citados para fazerem parte de qualquer lista, são logo postos de fora por estes senhores.
O saudoso camarada Salgado Zenha faz cá muita falta.

Um militante da Concelhia da Figueira da Foz

SATANÁS disse...

Ah Ah aH Ah Ah

Vem meu filho... vem a meus braços !

Anónimo disse...

Ver a notícia no JN
http://jn.sapo.pt/2006/04/21/centro/lider_concelhia_ps_desafiado_a_demit.html

"Em causa estão os contornos de negócios que terão envolvido empresas de que Luís Vilar foi colaborador. Um deles terá sido a venda do antigo edifício dos CTT, na Avenida Fernão de Magalhães. O imóvel foi comprado por uma empresa que o vendeu horas depois, lucrando milhões."

O Vilar, conhecido especialista nas questões do turismo, está tramado... Mas não se esqueçam do Vi-Vilão e dos vilõezinhos.

DEMITE-TE VILAR! NÃO ENVERGONHES MAIS O PS!

FORÇA MARINHO!!!

um militante do reino do Botão

PS: sugiro que venham observadores do Rato para acompanhar as eleições em Coimbra. Quem não deve não teme.

Anónimo disse...

O Santos Pereira será a breve prazo quilhado dentro da Judiciária. Aliás até já pôs os superiores a desculpá-lo. De nada servirá.
Como disse Che Guevara: " Vitória ou morte".

Anónimo disse...

Então não querem lá ver que o Marinho está na Miguel Torga por obra e graça do espírito santo. Não nos querrerão explicar?

Anónimo disse...

quilhado vais ser tu é joão vilare

Anónimo disse...

vitória ó burro. pensas que não sabemos quem és. ser juiz em causa própria não tem valor.

Anónimo disse...

Ó Santos Pereira/Cristina Martins/António Rochette/Rui Avelar/Eliana Pinto, podem mesmo crer: "Vitória ou Morte" (Che Guevara)

Anónimo disse...

sorrisos....cambada1 enquanto umas se entretêm com as mulheresjá que com o chefe do shomens a coisa não correu bem e não houve tacho, eis a derradeiora oportunidade dos ditos oportunistas...
olhem para os que tanto odeiam e vejam como progridem e ganham dinheiro por mérito e esforço próprio fora do partido!
aprendam inúteis parasitas...