quinta-feira, fevereiro 02, 2006

Parece que o efeito "Manuel Alegre" não é só no PS...

Seis dos nove deputados do PS que pertencem à Juventude Socialista (JS) criticaram hoje o secretário-geral da organização, Pedro Nuno Santos, por ter anunciado que vai apresentar um diploma para legalizar os casamentos entre homossexuais.
Em comunicado, os seis deputados da JS declaram-se favoráveis à alteração do Código Civil proposta por Pedro Nuno Santos, mas defendem que "qualquer iniciativa sobre esta matéria deve ser tomada com passos sustentados para que as alterações legislativas tenham sucesso".
"O papel da JS nesta matéria é criar condições dentro do PS para que o PS assuma esta questão como uma prioridade", argumentam os deputados Glória Araújo, Marcos Sá, Marisa Costa, Nuno Antão, Rita Neves e Nuno Sá, sublinhando que " a JS não se constitui como grupo parlamentar autónomo do PS".
Os subscritores do documento, a que a agência Lusa teve acesso, sugerem que o secretário-geral da JS anunciou a apresentação do projecto de lei para legalizar os casamentos entre pessoas do mesmo sexo por "protagonismo político".
"As iniciativas que resultem apenas em espectáculos mediáticos cujo único benefício seja o protagonismo político de quem as promove são contraproducentes", afirmam, contestando o "timing" escolhido por Pedro Nuno Santos, que anunciou a iniciativa quarta-feira.
"Sendo esta questão do foro dos direitos, liberdades e garantias de cada cidadão, não pode estar sujeita a protagonismos individuais nem ser reclamada como pertença de um qualquer património ideológico", reforçam.
São também deputados do PS, além do secretário-geral, Pedro Nuno Santos , os membros da JS João Portugal e David Martins.

aqui

1 comentário:

Anónimo disse...

Pedro Nuno isolado no Paralamento!!!